sexta-feira, novembro 14, 2008

Milagre da Fé


Segundo conta o Diário de Notícias, Antónia Vallejo, espanhola de Trigueros, perto de Huelva, foi a Fátima em cadeira de rodas, no dia 13 de Outubro passado, com a perna esquerda paralisada devido a uma cirurgia à bexiga que correu mal. Diz que sentiu um impulso para se levantar e foi o que fez. Acredita que foi um milagre da Virgem.
Quando o drama lhe bateu à porta, a sua vida deu uma volta de 180 graus. "Os dias não tinham significado e sentia que estava morta. Dependia do meu marido e não queria dar-lhe trabalho. Recebia a visita de vizinhos, amigos e familiares a as minhas netas perguntavam-me o que se passava. Mas, apesar de tudo, sempre acreditei que podia recuperar", refere Antónia Vallejo. O médico, em Huelva, é que não acreditava. Apesar do sofrimento, a senhora ia à missa. Mas para sair do seu apartamento, no primeiro andar, tinham de a ajudar a sair da cadeira de rodas, uma tarefa sempre difícil.
Milagre ou cura de ordem psíquica, o certo é que a Antónia salta de alegria como uma moça de 20 anos. Os exames médicos talvez possam dizer alguma coisa. A Igreja sem isso não se pronuncia.
Hoje ninguém tem dúvida de que a fé ajuda muito as pessoas a recuperarem dos seus males e das suas doenças. Harold Koenig foi pioneiro no estudo científico do potencial de cura da fé. Sua equipe reuniu provas convincentes de que a fé religiosa não apenas promove boa saúde geral, mas também ajuda na recuperação de doenças graves.
Num estudo envolvendo 455 idosos hospitalizados, por exemplo, Koenig observou que a média de internamento daqueles que frequentavam a igreja mais de uma vez por semana era de quatro dias. Os que nunca ou quase nunca iam à igreja permaneciam hospitalizados de 10 a 12 dias.
Um estudo da Faculdade de Medicina de Dartinouth revelou que a probabilidade de pacientes cardíacos morrerem após a cirurgia era 14 vezes maior entre aqueles que não participavam de actividades de grupo nem encontravam conforto na religião. Num prazo de seis meses após a cirurgia, 21 pacientes morreram – mas entre os 37 que se declararam "profundamente religiosos" não ocorreu nenhuma morte.
Cientistas em Israel estudaram 3.900 pessoas vivendo em kibutzim durante um período de 16 anos. A taxa de mortalidade relacionada com doenças cardiovasculares e cancro era 40% mais baixa nos indivíduos religiosos do que em seus pares sem religião.
Até por isso vale a pena ser religioso.

6 comentários:

Caros Amigos disse...

Hoje já ninguém duvida: a fé é o melhor remédio para vencermos na vida e curarmos os nossos males.
É que Deus está onde está a Fé.

Caros Amigos disse...

Amigo ver para crer:
Vou pôr este teu post no meu blog.
É que gostei mesmo dele.

Olivia disse...

Jesus disse: "Quem pede recebe, quem procura encontra."
Antónia Vallejo mereceu o milagre porque tem fé e pediu-o à Virgem Maria, a Mãe de Jesus.

Anónimo disse...

Não acredito em milagres mas respeito a fé das outras pessoas.
Tenho pena de não ter fé suficiente para afastar de mim os problemas.

Joaquim Costa disse...

A fé move montanhas!
Foi o que aconteceu a essa mulher.

PDivulg disse...

A mente é muito importante...