sábado, março 22, 2008

Cristo ressuscitou!


Os Apóstolos e discípulos testemunharam este grande acontecimento, o maior da História. O Senhor apareceu-lhes vivo, e não só a eles. Também a muitas testemunhas e em diversas circunstâncias (às mulheres que O acompanharam, a Pedro e João, aos discípulos de Emaús, aos Apóstolos no Cenáculo, a Tiago, aos discípulos quando pescavam, a Paulo a caminho de Damasco). Os Apóstolos, inicialmente não queriam acreditar, pois o facto era tão estranho, mas tiveram de render-se à evidência: Vi o Senhor! Vimos o Senhor!

Esta experiência vive-a ainda hoje a Igreja. Não seria possível, é inexplicável a entrega de tantas pessoas a Cristo e aos mais pobres, se Jesus não tivesse ressuscitado. Toda a História da Igreja é prova da Ressurreição.
Cristo não é só um Fundador de uma nova Religião como Maomé, Buda ou qualquer outro. Eles estão mortos. Jesus está vivo!

Uma Boa Celebração de Páscoa para todos!

A caminho da nossa própria Páscoa!

terça-feira, março 18, 2008

sexta-feira, março 14, 2008

sábado, março 08, 2008

A brasa solitária



Diz-se – e talvez seja verdade – que a fidelidade é hoje um valor em crise. Somos capazes, sem dúvida, de entusiasmos e de dedicações generosas; menos capazes de as manter inalteradas ao longo do tempo. Somos capazes de ímpetos momentâneos: menos capazes de arriscar a vida para sempre. Assistimos a um desafio de generosidade, em momentos de emergência; vemos menos gente capaz de um sacrifício contínuo, ligado ao ritmo quotidiano da vida, que, muitas vezes, parece banal e monótono.


É pois de enaltecer os que são capazes de ser fiéis aos seus compromissos. E quero aqui referir de um modo especial os jovens que, feito o crisma, continuam fiéis às suas promessas de cristãos. Vejo todas as semanas alguns a participar – talvez uma meia dúzia – cujos pais e mães estão sempre ausentes. E isto servirá de estímulo para os seus catequistas. Vale a pena continuar a semear!

Em 2001 foi feito, em Portugal, o levantamento da participação semanal na Missa. Pouco mais de 20 por cento estava presente nos locais de culto nesse dia do recenseamento. Mas um inquérito por amostragem, na mesma data, revelava que 66 por cento dos portugueses se consideravam praticantes. È certo que há muita gente impedida de participar e as crianças menores de 7 anos foram excluídas na contagem. Há velhinhos, doentes e seus acompanhantes, pessoas que trabalham no Sábado e Domingo, etc., que não podem estar presentes. Mas a diferença entre 20 e 66 por cento é muito grande.

Recordo a propósito uma conhecida história. Um rapaz, a determinada altura, deixou de frequentar a sua igreja. A preguiça e um certo cansaço das cerimónias repetidas serviram-lhe de argumento justificativo. Um dia precisou de ir a casa do pastor da sua congregação. Era inverno e o clérigo estava numa sala com a lareira acesa. Quando o rapaz chegou, o pastor decidiu separar as achas ou cavacas que estavam a fazer uma boa fogueira. Daí a pouco, o lume apagou-se.

- Estás a ver, rapaz! As cavacas são como as pessoas. Se não se juntam, deixam de dar calor. Apagam-se! É como a religião! Sem participação no culto, extingue-se. Assim como a fé e o amor.
O rapaz manteve-se calado. Mas na despedida, saiu-se com esta:
– Domingo, lá estarei no culto. Não quero ser uma brasa solitária, sem fé nem religião!