sábado, abril 19, 2008

Paróquias ecológicas


A Conferência Episcopal Italiana está a elaborar um plano de acção para que as novas igrejas e paróquias baixem o consumo de energia, abatendo os custos. Além disso, acredita que os edifícios históricos e artísticos devam ser mantidos ou reestruturados segundo os mais modernos critérios ecológicos.

Com o tema, "Construir bem para viver melhor. Edifícios de culto no horizonte da sustentabilidade", a Conferência reuniu em Roma especialistas de vários campos para apresentar mudanças em relação à "bioarquitetura" das paróquias.

Sob a direcção de Dom Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, os especialistas das várias disciplinas ligadas à arte do culto estiveram atentos à ilustração do projecto.

Entre os casos apresentados como exemplo estava a igreja da Divina Misericórdia de um bairro de Roma, projectada para o Jubileu do 2000 pelo arquiteto Robert Mayer, e a nova basílica de São Pio de Pietrelcina, no qual o projeto é assinado por Renzo Piano. Como exemplo de restauração eco-compatível foi citada a igreja do Bom Pastor, no centro histórico da cidade de Bari. A economia de energia alcançada com as igrejas que respeitam o meio ambiente é calculada entre 30 e 70%.

O plano para a "bioarquitetura" nas paróquias confirma a sensibilidade das igrejas italianas pelo meio ambiente. Uma das iniciativas é o dia nacional dedicado à proteção da criação, instituído em 2006, para promover o respeito à natureza dentro de uma ampla cultura em defesa da vida e pela saúde do homem.

A ecologia é também enaltecida por Bento XVI, através de algumas mensagens destinadas aos diplomatas internacionais. "Um dos campos que parece urgente trabalharmos é, sem dúvida, aquele de protecção da Criação. Às novas gerações é confiado o futuro do planeta, no qual são evidentes os sinais de um desenvolvimento que nem sempre sabe defender os equilíbrios da natureza. Antes que seja muito tarde, devem-se adoptar escolhas corajosas, que saibam recriar uma forte aliança entre o homem e a terra", disse o papa. (AC/BF)

3 comentários:

Caros Amigos disse...

Todos não somos demais para proteger o planeta.
E não podemos ficar por não fazer ou não gastar, temos de semear remédios que o tratem e curem.

Maria João disse...

Os primeiros a sofrer com as alterações climáticas são os países pobres com grandes secas ou cheias.

Ser cristão também é amar o ambiente.

beijos em Cristo e Maria

osperegrinos disse...

Ora, ora, ora...

Que bela iniciativa!!! Mas o papel da igreja e também conscientizar os fiéis, né não!?!

Motivar os fiéis a amar a natureza e a lutar por ela!

E esclarecer também que, quando Deus diz: "enchei a terra e submetei-a" (Gn 1,28), Ele não está nos mandando explorar a terra, mas a cuidar dela com amor, a dela tirar nosso sustento,a junto com ela promover a vida etc.

Passei mais para visitar os blogs amigos, coisa que há muito não fazia! Mas o tema me chama muito a atenção e, por isso, não poderia deixar de dar minha opinião!

Paz & Bem!!!

Zé Luiz.