sábado, janeiro 28, 2006

Encíclica de Bento XVI

A pensar no amor



O Papa Bento XVI apresentou, na sua primeira Encíclica, o tema do amor como a "verdadeira essência" do cristianismo.
O ‘Papa teólogo’ resolveu surpreender e apresentar ao mundo um texto relativamente curto, numa linguagem rica mas simples e com uma mensagem fácil de apreender. Precisamente oito meses depois de ter ocupado a Cadeira de S. Pedro, Bento XVI pôs o mundo a pensar na importância do amor.


Estruturada em duas partes, uma mais teórica e outra de pendor pragmático, a carta começa por unificar os conceitos de "eros" (amor entre homem e mulher) e "agapé" (o amor que se doa ao outro) e centra-se depois na acção caritativa da Igreja, que apresenta como "uma parte essencial da sua natureza".

Em vez de ditar regras e ordenar conceitos doutrinais mais ou menos dogmáticos, Bento XVI procura responder às perguntas mais profundas da humanidade sobre a sua existência e o seu destino, lembrando que, no final dos tempos, será o amor o critério para decidir "o valor ou a inutilidade de uma vida".

Há dias, o Papa explicou que a sua primeira encíclica "Deus é amor" nasceu da vontade de devolver o "esplendor original" à palavra "amor". "A palavra amor está hoje tão deturpada, consumida e abusada que quase se teme deixá-la aflorar aos próprios lábios", lamentou no seu discurso. Apesar disso, Bento XVI frisa que "nós não podemos, simplesmente, abandoná-la, mas devemos retomá-la, purificá-la e devolvê-la ao seu esplendor originário, para que possa iluminar a nossa vida e levá-la pela caminho certo".

Nesse sentido, afirmou, compreende-se que "a organização eclesial da caridade não seja uma forma de assistência social. Esta actividade – disse o Papa –, para além do primeiro significado, muito concreto, de ajudar o próximo, tem essencialmente o significado de comunicar ao outro o amor de Deus".


6 comentários:

Alex disse...

Hi from NYC :)
Bathroom

Surpreso disse...

A minha opinião é que o Papa escolheu bem o tema e tratou-o de uma maneira adequada. De facto o amor deve ser o motor de todas as nossas acções e a razão de ser da nossa existência.
Um abraço

Anónimo disse...

Yes!!!

Caros Amigos disse...

Escrevo com a neve a cair. É branca como a pureza do amor.
Graças a Deus!

xana disse...

queria dizer o que disse o "surpreso"..mas ele disse já tudo tão bem...

um abraço meigo

Menderes disse...

«Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei a vós» já dizia Cristo. Aproveito para te deixar o convite para apareceres neste novo fórum: Ecclesia - A comunidade online cristã - http://www.takeforum.com/forum/ecclesia.html