domingo, novembro 05, 2006

Uma voz de peso a favor da vida


Foi com muito agrado que lemos em
Juntos pela vida que «de acordo com o seu Estatuto Editorial "O Correio da Manhã apoiará de forma firme a instituição Família, o direito à Vida e assume o seu apreço pelas raízes cristãs da sociedade portuguesa".

De facto, o Correio da Manhã é o jornal diário mais vendido em Portugal, o que mais uma vez nos faz tomar consciência de que a cultura e os valores civilizacionais de um povo não podem ser alterados ou impostos por qualquer jogo político ou manobra ideológica: os portugueses sabem quem são, para onde vão e o que querem.

E é desta realidade que o Correio da Manhã é, deste modo, retrato fiel – um povo profundamente ligado às suas raízes culturais cristãs em que a Família assume um papel de destaque enquanto célula nuclear de toda a Sociedade. O CM ao afirmar a importância crucial da Família enquanto geradora de Vida, de estabilidade, de passagem de valores e cultura faz, sem dúvida, um serviço aos seus leitores e ao país.

Bom seria que o nosso poder político se desse conta do papel que desempenha na sociedade; não podem os governantes mudar as mentes dos portugueses, podem (e devem!) criar condições para que a sociedade portuguesa seja fiel à consciência que já tem.

Esta atitude da direcção do Correio da Manhã demonstra uma lucidez e, também, coragem que representam uma lufada de ar fresco e a possibilidade de respirar, diante de uma comunicação social que não poucas vezes ignora a cultura portuguesa como ela é, tratando-a como alguns gostariam que fosse…

Desde já desafiamos os restantes meios de comunicação social a seguir este Bom exemplo.

Obrigado, Correio da Manhã!

A Direcção JPV

10 comentários:

Jcosta disse...

Costumo ler o "Correio da Manhã" na internet e não me tinha apercebido desse editorial.

Graças a Deus que há vozes que se levantam a favor da vida!
Joaquim Costa

joaquim disse...

Parabéns ao Correio da Manhã!
É raro um jornal generalista assumir a defesa da vida, sobretudo em assunto tão sensivel como o aborto.
Obrigado por nos revelares esta noticia.
Abraço em Cristo

Maria João disse...

Sim, alguém que tenha coragem de o fazer.

Ver para crer disse...

Amigos intervenientes:

Em primeiro lugar, obrigado pelas vossas palavras.

Ainda que o «não» perca, e estou convicto que tem todas as hipóteses de vencer, pelo menos uma alegria já me deu esta pré-campanha do referendo: o ver que os cristãos podem estar separados por outras coisas mas não em relação à malignidade do aborto.
A defesa intransigente da vida humana em gestação é ponto comum.
Dêmos graças a Deus!

Depois há outras pessoas que podem estar um pouco desligadas da prática religiosa mas nisto estão connosco.

Felizmente!

semintendes disse...

Aproveito a oportunidade para aqui indicar um artigo do P. Abílio D.Simões, no C. de Coimbra, cujo link aqui deixo.
Cumprimentos. Gosto de ver para crer!

Ver para crer disse...

Obrigado, Semintendes, por nos facultares este artigo de Abílio Duarte Simões sobre as interrupções.
O autor escreve bem e com muita acutilância. Vale a pena ler.

Pdivulg disse...

È importante que haja quem (de peso) defenda os valores tradicionais (?)/normais da vida e da família...

João Moutinho disse...

Sou mais leitor do Público e DN.
Nestes jornais tenho verificado que há uma objectivo de alguma equidistância neste assunto, o que até é positivo.
A questão do aborto, ou numa forma mais "cor-de-rosa" IVG, é que além de ser legalizado um assassinato vão-se abrindo as portas para o não reconhecimento da vida dos deficientes, dos fracos, dos menos abonados pela natureza.
É um pouco o regresso à Europa ou Mediterrâneo pré-cristão.
Mas aprecio quando alguém "defende a vida".

Ver para crer disse...

Amigos:

Obrigado pelos vossos comentários.
Todos não somos demais para defender a vida humana desde a sua origem.

Confessionário disse...

é pá, não sabia... Fiquei mt contente! É que me preocupa imenso esta "Cultura de Morte".