sábado, janeiro 05, 2008

Custa a entender...


Leio nos jornais que «a avaliação que os portugueses fazem da situação financeira da sua família nos últimos doze meses é actualmente a mais negativa desde Outubro de 2003, altura em que a economia portuguesa se encontrava na fase mais baixa do ciclo económico e em nítida recessão.»

Mas há dias foi anunciado que «entre levantamentos nas máquinas Multibanco e pagamentos nos terminais de pagamento automático nas lojas, em Dezembro (até dia 25), a Sociedade Interbancária de Serviços registou movimentos no valor global de 4,221 mil milhões de euros. É o equivalente a cada português ter gasto 422 euros (84 contos) naquele período.»

Será que se está a falar do mesmo país?!

Ou temos um país cada vez mais dividido entre classes sociais ricas e pobres?...

5 comentários:

Orlando disse...

Depende de quanto os portugueses levantaram e gastaram em períodos anteriores.

Joaquim Costa disse...

O consumismo faz destas coisas.
Gasta-se num dia o que era preciso para os outros.
Há pessoas que podem mas há ainda muita gente a viver com poucochinho

joaquim disse...

A resposta certa penso que é sem dúvida a segunda, mas também "capacidade" de com estes acessos ao crédito fácil as familias se endividarem, ao ponto de muitas delas já não conseguirem as suas dividas.
Segundo as informações correntes a Deco nunca teve tantas queixas como agora motivadas ppr esse endividamento.

Abraço amigo em Cristo

Anónimo disse...

Esses que estão no governo estão a dar cabo disto.
Cada vez há mais gente rica e mais gente pobre. Quer dizer: uns t~em tudo outros nada.

Anónimo disse...

Navegando um pouco pelo seu "Ansião na net" vim parar ao seu blog e, confesso que fiquei positivamente surpreendido pela riqueza e oportunidade dos temas aí disponibilizados.
Apesar do seu imenso trabalho pastoral, jornalistico e por aí fora, ainda encontra tempo para pregar neste fantástico púlpito que é a Internet. Parabéns!
Que continue a ter o tempo, a saúde, a disponibilidade e a coragem para difundir a mensagem cristã e os valores evangélicos num mundo cada vez mais materialista, hedonista e afastado dosd verdadeiros e perenes valores.
Que o novo ano de 2008, recentemente chegado, lhe vá concedendo tudo aquilo de que precisa para continuar a evangelizar não só presencialmente, como também virtualmente, este mundo em que vivemos e no qual, apesar de tudo, ainda há muita coisa boa e positiva, GRAÇAS A DEUS.
O amigo José Cerca