quarta-feira, julho 20, 2005

Filhos dos pais ou do Estado?

Nem o comunismo chegou tão longe!
Albino Almeida, presidente da CONFAP - Confederação Nacional de Associações de Pais, afirmou, num canal de televisão, que "temos que assumir, entre todos nós, que os filhos são biologicamente nossos, mas socialmente de toda a comunidade", tentando, assim, justificar que deve ser o Estado a definir o "modelo educativo", restando aos pais o simples papel de "produtores de crianças."
Vejam, e ouçam.

E se os pais estiverem de acordo dêem-lhe o seu voto de confiança. Por mim não estou!

3 comentários:

Joao Pedro disse...

Essa merece a censura de todos pais!
Medite esse senhor na desgraça que é não ter um pai ou mãe para nos dar afecto e educação. Tantos são os exemplos mesmo dos acolhidos pelas instituições que nem vale gastar o computador.
João Pedro

Joaquim Gomes disse...

Esse senhor pensa que ainda está no tempo da outra senhora.
Mas Salazar morreu, Cunhal também e o comunismo está defunto.
Que tenha juizinho!

JMiguel disse...

Há realmente pessoas que não conseguem encarar a realidade! E tú és uma delas! Não sei se por analfabetismo funcional, se por fanatismo, ou por ou por outras razões que podes guardar para ti! Não foi dita nenhuma monstruosidade. Uma criança passa mais tempo na escola do que com os seus pais. Cada vez mais a sociedade aumenta a sua infuência na educação. É um facto que o estado tem um papel a desempenhar nesta matéria. É pena a discussão não se centrar em o que é que o governo pode fazer para melhorar a sua parte na educação das futuras gerações. Quando assumimos os nossos problemas maior capacidade temos para os analizar e encontrar uma solução.