terça-feira, julho 12, 2005

Aborto em tribunal

Obrigado mamã!




É uma das coisas que não entendo. Que haja pessoas lutando pelo aborto. Sei os seus argumentos: a liberdade da mulher sobre o seu corpo e sobre quais os seus filhos que devem ter vida.
Quem me vai dizer que são apenas um apêndice que se gerou no seu corpo?
Convido cada leitor a imaginar que a sua mãe foi pressionada a abortá-lo. Sim a abortá-lo a si mesmo. E que ela teve coragem de dizer não.
Imagino que todos os defensores do "SIM ao aborto" mudariam de ideias sobre tal acto se tivesse estado em causa a sua própria pessoa.
É isto mesmo que nos conta – e canta! – um jovem actor e cantor de "rap", Nick Cannon, na sua última canção "Can I live?" (Posso viver?). Nesta canção narra como sua mãe desistiu de praticar um
aborto e permitiu que nascesse em 17 de Outubro de 1979.
A canção foi lançada com um comovedor vídeo, no qual um homem leva uma jovem assustada a uma clínica abortista e encontra na porta um protesto de activistas pró-vida. A adolescente, que representa a mãe do Cannon, atravessa o grupo entre "placards" nos quais se pode ler: "A vida é um direito".
Nick conta a história de sua vida, a "história de amor", como ele mesmo afirma no canto, que lhe permitiu existir desde que sua mãe optou pela vida. "Veja-me enquanto sonha, então não pode matar seus sonhos. 300 dólares é o preço duma vida. O quê?! Mamã, eu não gosto desta clínica. Com sorte, tomará a decisão correcta, espero que não decida pela faca", diz a letra.
Nick entende a situação que sua mãe atravessa: a vergonha e o temor por ter um novo ser sendo tão jovem. "Só tenho dois meses. Ela trata de me esconder em suas roupas que já cresceram três tamanhos. (…) Seus amigos a olharão dum modo estranho, mas olha, mãe, só te tenho amor e respeito. Obrigado por me ter. Deixou-me viver". A actriz Tatyana Ali, conhecida por seu papel de Ashley na série The Fresh Prince (O Príncipe do Rap) e que também nasceu em 1979, é quem encarna a adolescente, mãe do Nick, no vídeo.
Cannon termina a canção comentando que a única coisa que está fazendo é "contar sua história". A verdadeira mãe do Nick aparece ao final do vídeo, abraçando-o enquanto ele segue entoando: "Amo a minha mãe por me dar a vida. Precisamos apreciar a vida. Uma mulher forte teve que sacrificar-se. Obrigado por escutar meu desejo de viver. Obrigado por escutar. Obrigado, mamã, por escutar".
Se quiser ver e ouvir este vídeo (em inglês) pode fazê-lo em:
http://www.nickcannonmusic.com/index_main.html . Será uma boa ocasião de agradecer a sua mãe a vida.

5 comentários:

Anónimo disse...

Custou a chegar à audição do vídeo mas valeu a pena. Parabéns pela inserção.
J. Costa

Anónimo disse...

Bem se vê que é homem. Pensa as mulheres como parideiras ou quê?

fgs disse...

O primeiro parágrafo é fabuloso. Na primeira frase dizes que há uma coisa que não entendes. Na segunda mostras que não estás muito dentro do assunto e na terceira demonstras claramente que estás completamente a leste, confirmando deste modo a primeira.

Um exemplo claríssimo de imbatível lógica circular.

J. Costa disse...

Hoje só se pensa em prazer. Por ele somos capazes de um comportamento pior que o dos animais. Já dizia o grande poeta:
"É impossível compreender
alguma coisa sem amar".
Goethe

Anónimo disse...

Era menos um a poluír o panorama músical...