domingo, agosto 26, 2007

São muitos os que se salvam?


Neste Domingo, a Palavra escutada nas celebrações católicas põe-nos a reflectir sobre a Salvação.

Eis alguns pontos da minha reflexão:

1. "Deus que nos criou sem nós não nos salva sem nós" - S. Agostinho de Hipona.

2. Deus quer a salvação de todos mas exige que escolham a "porta estreita" e o "caminho íngreme" do cumprimento do Seu mandamento: "Amar a Deus acima de tudo e ao próximo como a nós mesmos".

3. As diversas religiões são "caminhos" para atingir o Reino dos Céus. Todas nos orientam para o amor de Deus e do próximo.

4. A religião cristã não só nos aponta o caminho mas oferece-nos "apoios" para lá chegar. Esses apoios são gratuitos e por isso se chamam "graça de Deus".

5. Deus não força ninguém a seguir este ou aquele "caminho". É opção livre de cada um.

6. "Virão do Oriente e do Ocidente, do Norte e do Sul e sentar-se-ão à mesa do Reino de Deus....".
Isto é: Salvar-se-ão pessoas de todas as religiões, de todas as raças, línguas e nações.
Condicão essencial é que tenham amado a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmas.

9 comentários:

Maria João disse...

O que interessa a quantidade?

O importante é que o Amor salva-nos. EStamos à espera de quê para amar? Nem sempre é fácil, mas se amarmos todos os dias mais um pouco, chegaremos a uma latura em que a maior parte dos nossos gestos são de amor. Temos é de tentar. Se não, nunca conseguiremos lá chegar. Afinal, a preparação para a entrada no Reino de Deus começa aqui nesta vida.
Como diz a sabedoria popular: "Nâo deixes para amanhã o que podes fazer hoje".

beijos em Cristo

Anónimo disse...

Haverá caminhos de salvação fora da religião ou das religiões?
Um ateu pode salvar-se?

Joaquim Costa disse...

S. Paulo, na Carta aos Romanos cap. 1, 18 e seguintes, escreve que esses gentios não têm desculpa e deus os abandonou à depravação.

Está na Bíblia e por isso sou de opinião que não se salvam.

antonio disse...

Boa reflexão! Este é um Deus católico (no sentido em que é universal).

Fontez disse...

Bem dito.
A resposta de Cristo, nem foi "muitos" ou "poucos", mas sim a porta estreita.
Tal palavra de Deus ouvi na missa este domingo passado e gostei de ouvir. A profundidade de tal atinge-se-nos!
Gostei de ler este blog.
Parabens ao seu autor.

Ver para crer disse...

Um anónimo pergunta se fora das religiões há salvação.
E se um ateu se pode salvar.

Joaquim Costa responde não com o texto da Carta aos Romanos, 1, 18 e ss.

Deixo aqui o texto citado, na versão dos Capuchinhos portugueses, para o leitor alicerçar a sua opinião:

"Pecado dos pagãos - 18De facto, a ira de Deus, vinda do céu, revela-se contra toda a impiedade e injustiça dos homens que, com a injustiça, reprimem a verdade. 19Porquanto, o que de Deus se pode conhecer está à vista deles, já que Deus lho manifestou. 20Com efeito, o que é invisível nele - o seu eterno poder e divindade - tornou-se visível à inteligência, desde a criação do mundo, nas suas obras.

Por isso, não se podem desculpar. 21Pois, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram nem lhe deram graças, como a Deus é devido. Pelo contrário: tornaram-se vazios nos seus pensamentos e obscureceu-se o seu coração insensato. 22Afirmando-se como sábios, tornaram-se loucos 23e trocaram a glória do Deus incorruptível por figuras representativas do homem corruptível, de aves, de quadrúpedes e de répteis.

24Por isso é que Deus, de acordo com os apetites dos seus corações, os entregou à impureza, de tal modo que os seus próprios corpos se degradaram. 25Foram esses que trocaram a verdade de Deus pela mentira, e que veneraram as criaturas e lhes prestaram culto, em vez de o fazerem ao Criador, que é bendito pelos séculos! Ámen.

26Foi por isso que Deus os entregou a paixões degradantes. Assim, as suas mulheres trocaram as relações naturais por outras que são contra a natureza. 27E o mesmo acontece com os homens: deixando as relações naturais com a mulher, inflamaram-se em desejos de uns pelos outros, praticando, homens com homens, o que é vergonhoso, e recebendo em si mesmos a paga devida ao seu desregramento.

28E como não julgaram por bem manter o conhecimento de Deus, entregou-os Deus a uma inteligência sem discernimento. E é assim que fazem o que não devem: 29estão repletos de toda a espécie de injustiça, perversidade, ambição, maldade; cheios de inveja, homicídios, discórdia, falsidade, malícia; são difamadores, 30maldizentes, inimigos de Deus, insolentes, orgulhosos, arrogantes, engenhosos para o mal, rebeldes para com os pais, 31estúpidos, desleais, inclementes, impiedosos.

32Esses, muito embora conheçam o veredicto de Deus - de que são dignos de morte os que tais coisas praticam - não só as fazem, como até aprovam os que as praticam."


Perdoe-me o amigo Joaquim Costa mas penso que este texto bíblico não responde cabalmente à pergunta.
Esta é a minha opinião.

Anónimo disse...

Será mesmo preciso amar a Deus para alguém se salvar?
Se for, então um ateu se nem sequer acredita que haja um Deus, como o poderá amar?
Assim não se pode salvar.
Pelo menos é o que diz a lógica filosófica.

elsa nyny disse...

Hoje venho agradecer a tua gotinha e VAMOS CONTINUAR a lutar pela paz do DARFUR!


BEIJINHOS!

J disse...

Obrigado por teres colocado aqui este texto, ajudou-me imenso e fez me refelctir.

Um grande beijinho